• Receba informações e promoções de nosso site.


 

Notícias

Saúde

Dormir em frente à televisão aumenta risco de depressão, diz estudo

31/07/2012 às 12:23h
Televisão à noite pode ser inimiga da boa saúde mental (Thinkstock)

 

Dormir em frente à televisão aumenta risco de depressão, diz estudo

Exposição à luz artificial da TV e do computador à noite provoca alterações no cérebro semelhantes às desencadeadas pelo transtorno

 

Ficar exposto muito tempo à luz artificial da televisão ou do computador durante a noite pode aumentar as chances de um indivíduo ter depressão. Essa é a conclusão de um estudo desenvolvido no Centro Médico da Universidade de Ohio, nos Estados Unidos, e publicado nesta terça-feira no periódico Molecular Psychiatry, uma publicação da Nature. De acordo com a pesquisa, o hábito desencadeia alterações físicas no cérebro que se assemelham às mudanças que ocorrem quando uma pessoa apresenta o transtorno.

 

CONHEÇA A PESQUISA

Título original: Chronic dim light at night provokes reversible depression-like phenotype: possible role for TNF

Onde foi divulgada: revista Molecular Psychiatry

Quem fez: Tracy Bedrosian e Randy Nelson

Instituição: Universidade de Ohio, Estados Unidos

Resultado: Muito tempo exposto à luz artificial da televisão ou do computador provoca mudanças de comportamento e alterações físicas no cérebro semelhantes àquelas apresentadas por pessoas com depressão. Mudar esse tipo de hábito pode evitar o transtorno ou reduzir os seus efeitos nocivos.

Segundo os autores do trabalho, houve, nos últimos 50 anos, um aumento significativo do tempo em que os indivíduos passam em frente à luz artificial no período noturno, e esse quadro coincide com o crescimento das taxas de depressão entre a população, especialmente entre as mulheres, que têm o dobro de chances de apresentarem o problema. No artigo, os pesquisadores explicam que, embora a luz artificial da televisão e do computador já tenha sido associada a outras doenças, como câncer de mama e obesidade, pouco se sabe sobre a relação entre o hábito e transtornos de humor.

Leia também:

Pouca atividade física e muita televisão aumentam risco de depressão em mulheres

Muita televisão aumenta gordura corporal e prejudica desempenho de crianças nos esportes

Os autores do estudo chegaram a essa conclusão após realizarem testes com hamsters, que foram expostos a uma luz artificial fraca em uma sala escura — simulando a luz de uma televisão à noite — por quatro semanas seguidas. Os pesquisadores comparam, então, as mudanças que ocorreram no cérebro e no comportamento desses animais às alterações apresentadas por hamsters que permaneceram em salas escuras, mas sem a luz artificial.

De acordo com o estudo, as alterações físicas no hipocampo, região do cérebro, dos animais expostos à luz eram muito parecidas com as que seres humanos apresentam quando sofrem depressão. Além disso, esses animais se mostraram menos ativos do que os outros e apresentaram um interesse menor do que o habitual em atividades como beber água com açúcar. Segundo os pesquisadores, esses sintomas são equivalentes aos de depressão em seres humanos. Para os especialistas, esses resultados podem ser encarados como uma boa notícia se for levado em conta que uma simples mudança de hábito, como reduzir o tempo de exposição à televisão na madrugada, pode diminuir os efeitos nocivos e os riscos da depressão