• Receba informações e promoções de nosso site.


 

Notícias

Igreja

Paraenses veem a celebração dos 100 anos como honra de Deus

14/06/2011 às 03:02h
Cerca de 11 mil pessoas lotaram Estádio Baenão

Cerca de 11 mil pessoas lotaram o estádio Evandro Almeida, o Baenão, no culto de encerramento das festividades dos 100 anos da AD no Brasil, em Belém do Pará. Segundo o tenente do Corpo de Bombeiros, Esaú Almeida, apesar do grande fluxo de pessoas. o movimento foi muito tranqüilo.

A reunião foi dirigida pelo deputado federal e pastor Ronaldo Fonseca, líder da AD em Taguatinga (DF), e contou com a presença da Mesa Diretora da CGADB, líderes de várias convenções do Brasil e exterior, parlamentares, além de caravanas de várias regiões do Brasil e do Pará. Os jovens e adolescentes também marcaram presença significativa na festividade.

Na abertura do cerimonial, ocorreu a entrada das bandeiras do Brasil, Israel, Suécia, Estados Unidos, Pará, Comieadepa, Assembléia de Deus, CGADB, CPAD e Centenário. Dois jovens entraram carregando uma chama pentecostal. Eles passavam por grupos de outros jovens que corriam pelo gramado representando a disseminação do Evangelho no país. Ainda na abertura dezenas de adolescentes entraram com as bandeiras representando todos os municípios paraenses. Entre eles estava Malcon Souza, 15 anos. Ele não conseguiu esconder a emoção de estar lá. “Fui escolhido para fazer parte deste momento e não é qualquer adolescente que tem este privilégio. Louvo ao Senhor por esta honra”.

Pastor Orcival Xavier, líder da AD em Brasília (DF), fez a leitura oficial no Salmo 100. O juiz Abner Apolinário da Silva entoou o Hino Nacional e o hino 244 da Harpa Cristã. Na sequência, pastor Gilberto Marques saudou aos convencionais, os parlamentares, e a todos os presentes e agradeceu a Deus pela presença do Espírito Santo no Pará. "Nós tivemos um trabalho intenso por todos esses dias, mas eu confesso que estou rejuvenescido. Foi um prêmio do céu a presença da CPAD, CGADB  e dos colegas de todo o Brasil que enriqueceu e muito a festa do Centenário. O nosso coração está jubiloso e Jesus foi em tudo glorificado", enfatiza o pastor.

O louvor ficou por conta de cantores regionais, três bandas do Estado e os cantores Victorino Silva, Lilia Paz, Marcelo Santos, Alice Maciel, da Patmos Music, e Joe Vasconcelos, dos EUA.

No decorrer do culto, pastor José Wellington Bezerra da Costa, líder da CGADB, falou em nome da entidade e disse que se regozijava no Senhor pelos 100 anos da AD no Brasil. "Deus por sua bondade, pelo seu Espírito, derramou uma copiosa chuva de bênçãos sobre nós. O encerramento foi uma apoteose e parte da igreja permaneceu aqui e ficou com o coração cheio de alegria", afirma o presidente.

A Palavra foi pregada pelo pastor Joel Freire, líder da Confraceb (EUA).  Ele leu em Gênesis 21.5 e deixou uma palavra de renovo para a igreja. Fez uma comparação da chamada de Deus na vida de Abraão com a chamada de Deus na vida dos missionários Gunnar Vingren e Daniel Berg. “Há 40 anos, a AD era conhecida como um povo ignorante (um Zé povinho). Hoje, 100 anos depois, a AD mostra que conhece Deus que é o dono da Palavra. Creio que estamos começando uma nova etapa na AD e estamos orgulhosos em ser assembleianos e brasileiros”, declarou.

Durante a celebração, o diretor- executivo da CPAD, Ronaldo Rodrigues de Souza, recebeu homenagem pelos anos à frente da editora. "Foi uma festa que reuniu a liderança do Brasil com o objetivo de continuar servindo o Senhor e Salvador Jesus Cristo e a CPAD que faz parte da história da Assembleia de Deus vai continuar a servir a igreja a fim de caminhar por mais 100 anos ou até a volta do Senhor Jesus", destacou.

Nem a forte chuva que caiu no período da festividade impediu que a o povo de Deus glorificasse e se sentissem honrados por fazer parte de um momento ímpar na história da AD. Para o pastor João Alberto de Almeida, representante do ministério de Madureira, a comemoração do Centenário vem marcar uma história de unção e oração. “Ao longo dos 100 anos são tantas maravilhas que não se pode contar. Esse. O amor permanece no coração dos assembleianos”, conclui.

Para pastor Firmino Gouveia, a emoção e o sentimento não podem ser descritos. “Só os céus podem traduzir o que vai ao meu coração. Não palavras que podem evidenciar a grandeza desta oportunidade. Sou um milagre fui salvo, estou vivenciado o centenário e tive a honra de pastorear a igreja pioneira no Brasil. Portanto, só os céus podem traduzir o que vai ao meu coração. Cem anos não são 100 dias. É muita glória”, declara o pastor Firmino muito emocionado.

 

Fonte: CPAD News