• Receba informações e promoções de nosso site.


 

Entrevistas

Ministros do Evangelho

Revista RDM - Entrevista Pastor Sebatião Rodrigues de Souza

20/09/2011 às 02:59h

“Vivemos a véspera da volta do Messias”

Em 1974, aos 43 anos, o pastor Sebastião Rodrigues de Souza chegava a Mato Grosso, veio de Minas Gerais, para assumir a Igreja Evangélica Assembleia de Deus, pouco disseminada no Estado. Veio casado desde 1949, com Nilda de Paula Souza, com quem comemora as Bodas de Diamante depois de 60 anos de matrimônio, no dia 24 de setembro. A festa vai ser comemorada em 15 de agosto. Aos 78 anos, o lendário Pastor Sebastião dirige uma grande obra. Nascido em Campo Florido,MG. De Planura, MG, mudou-se para Cuiabá. Pai de quatro filhos, três homens e uma mulher, recebeu a congregação do Pastor Cícero Canuto de Lima, que tinha 7 templos em Cuiabá, e mais alguns nas cidades tradicionais. Viajou todo o Estado e se lembra da rodovia Cuiabá-Santarém antes do asfalto e até mesmo das cidades atuais, dos atoleiros, das viagens difíceis e do fusquinha companheiro daquelas aventuras. Ainda hoje gosta de voltar lá de carro, “pra rever, me lembrar dos caminhos antigos, e rever as lindas plagas de Mato Grosso”. Modestamente, afável e sereno, comanda uma comunidade estadual de cerca de 150 mil religiosos. Nossa conversa foi no escritório solene de sua residência, em Cuiabá.

RDM - Quantos templos possui hoje a congregação da Assembleia de Deus no Estado?

Pastor Sebastião – Temos cerca de 270 templos em Cuiabá e em Várzea Grande, algumas centenas no restante do Estado. Todos são vinculados à Convenção Estadual – Comademat.

RDM - Como está a religião e o mundo de agora?

Pastor Sebastião – A bíblia diz que por se multiplicar a iniquidade, o amor de muitos esfriaria. Isso tem acontecido, face às inovações, à tecnologia avançada, à falta da criatura buscar na palavra de Deus o conceito bíblico e religioso adotado por Jesus Cristo, que é o salvador da humanidade. Ele é o salvador de todo aquele que o aceita como seu salvador pessoal e permanece firme. Essas mutações tecnológicas, religiosas e a falta de líderes que conheçam a palavra de Deus, deixaram o mundo  transtornado. O salmista diz: “na verdade os fundamentos se transtornam. O que pode fazer o justo?”.

RDM - E a Assembleia de Deus em relação a tudo isso?

Pastor Sebastião – A própria Assembleia de Deus, no Brasil inteiro, tem muitas igrejas conservadoras, mas muitas excessivamente liberais, em cima do que, por uma ordem divina, nós estamos trabalhando na revitalização da Assembleia de Deus no Brasil e no mundo onde temos missões.

RDM - O que é a revitalização?

Pastor Sebastião – É voltar aos princípios originais da doutrina dos bons costumes e das práticas da santificação. A doutrina bíblica ensina que o crente convertido em Cristo não pode mentir, prostituir, roubar, usar de falso testemunho, adotar o mundanismo em termos de vestimenta, e em muitos outros usos da sociedade atual. Ao longo dos anos tudo isso vai entrando devagarzinho e, quando se percebe, não tem mais volta.

RDM - Como a Igreja insere a família nesses conceitos?

Pastor Sebastião – A família é o exemplo da nação e da Igreja. Uma família bem ensinada é feliz e abençoada, porque vive debaixo da orientação divina. Já uma família desordenada é um desastre, porque pais e filhos se abandonam, com todas as consequências visíveis no mundo de hoje.

RDM - Por que o Sr. acha que a família chegou a esse ponto?

Pastor Sebastião – Antigamente, antes de 1911, quando não tínhamos o Evangelho ensinado com todas as letras no Brasil, as religiões existentes ensinavam, mas não exigiam. A filosofia doutrinária diz que a doutrina sem disciplina é como a areia sem cimento. As coisas do mal são traiçoeiras. Se o filho é ensinado mas não lhe é cobrada a disciplina, ele pode desencadear sem volta.

RDM - No mundo atual onde pais e mães trabalham, vivem no mundo urbano, no mundo das carreiras profissionais e do consumo, onde tudo parece irreversível à luz do passado, como lidar com tudo isso do ponto de vista filosófico e religioso?

Pastor Sebastião – A nossa igreja tem que ser fiel aos princípios, porque o Senhor Deus tira de Cuiabá e de Mato Grosso um exemplo de vida religiosa para o Brasil e para o mundo onde temos missionários. Temos em Cuiabá uma estrutura crescente de atração dos jovens para a igreja a dar-lhes atividades adequadas. Temos conseguido segurar na igreja grande número de moços e moças fiéis à doutrina e aos costumes religiosos. A partir daí eles crescem sabendo que o mundo é perigoso porque a bíblia diz que “os homens maus iriam de mal para pior, enganando e sendo enganados”. Hoje os homens enganam, enganam e enganam, mas quando percebem, estão sendo mais enganados do que enganaram a alguém. É um mal do século 21.
 
RDM - Todas essas distorções sociais, políticas e econômicas do mundo não naturais do processo de evolução humana?

Pastor Sebastião – É um processo natural, não ordem divina. Deus quer que o Homem esteja no prumo, na forma como ele o criou, como barro da terra, conforme afirma a história teológica.

RDM - Não lhe parece que no mundo atual, os convencimentos religiosos são tão poucos em relação ao conjunto da sociedade, que talvez não haja tempo para tudo isso?

Pastor Sebastião – O Evangelho está sendo pregado para todo o mundo. Só não é pregado nos lugares onde matam os missionários.

RDM - Como unir todas as pessoas sobre uma mesma crença religiosa?

Pastor Sebastião – Nesses lugares onde matam missionários, as pessoas que viverem nesse período de grande atribulação, após o arrebatamento da Igreja, existirão três anos durante o qual o Evangelho eterno será proclamado aos que habitam sobre a Terra. Ah, dirão: então vamos aguardar Jesus, vamos ouvir e aceitá-lo. Mas ninguém sabe quem viverá até lá, porque na grande atribulação, o seu governo será o anticristo.

RDM - O Sr. está falando do Apocalipse?

Pastor Sebastião – Sim. Verso 6. O verso 7, Deus deu-me em revelação no dia 23 de julho de 2008, para pregar através da Rádio Nazareno (emissora em FM da Igreja com sede em Cuiabá). O verso diz: “Dizendo com grande voz: temei a Deus e dai-lhe glória, porque vinda é a hora do seu juízo, e adorai aquele que fez o céu, a terra, o mar e as fontes das águas”. Essa proclamação vai ser no período da grande tribulação. Mas ninguém pode dar-se ao luxo de esperar o evangelho anunciado pelo anjo, para converter-se a Cristo. O certo é que hoje o gênero humano aceite Jesus e restaure a sua vida no nível de quando foram criados.

RDM - Ainda há tempo para isso?

Pastor Sebastião – Há. Eu penso que o Apocalipse já começa a acontecer, principalmente pelo verso 6: “E vi um anjo no meio do céu que tinha o Evangelho eterno para o proclamar sobre os que habitam a Terra e a nação, tribo e povo”. Muitos religiosos não guardam a doutrina porque não a conhecem, mas são cristãos verdadeiros.

RDM - Quando o Sr. fala em conversão, está falando só da Assembleia de Deus ou de todo o cristianismo?

Pastor Sebastião –  Falo do cristianismo, de converter a Cristo. A pessoa se converte a Cristo em qualquer religião que seja. Se ele se converter a Cristo, ele se torna um cristão tanto quanto nós da Assembleia de Deus que procuramos obedecer a bíblia na íntegra. Qualquer um que uma vez convertido adotar os ditames bíblicos na sua vida diária, na forma de vestir, de pensar, comportamento social e religioso, se torna um cristão.

RDM - O Sr. considera o rigor da bíblia compatível com o mundo de agora?

Pastor Sebastião – Muito compatível. A bíblia diz que haveria um tempo de angústia entre as nações, com os homens desmaiando de terror, na expectação das coisas que estariam sobrevindo ao mundo...

RDM - O Sr. está falando de violência, de drogas e de todas as distorções atuais...

Pastor Sebastião – ...de tudo isso. É uma onda de desajuste coletivo que tem como causa uma infidelidade do homem em relação a Deus, o criador. Entra pelo vício do álcool, da prostituição e das drogas.

RDM - Como a Assembleia de Deus, com toda a sua tradição, se sente diante dessas novas religiões midiáticas?

Pastor Sebastião – É a distorção doutrinária. O que está acontecendo, é que os homens estão sendo enganados e essas falsas religiões enganam. Os textos bíblicos são muito claros a respeito desses tempos que antecedem ao fim dos tempos.

RDM - Quando será esse tempo? A julgar pelo estágio de tudo no Terra, não é agora?

Pastor Sebastião – Não. Mas está próximo. Estamos vivendo a sexta dispensação. A atribulação virá no início da sétima dispensação. Dispensações são grandes ciclos da humanidade, a partir da perda da inocência de Adão e Eva no paraíso e o despertar da sua consciência. Hoje nós vivemos a dispensação da Graça, na qual o Senhor Jesus perdoa e o Espírito Santo nos ajuda a compreender a convicção da salvação.

RDM - O arrebatamento virá antes do Apocalipse?

Pastor Sebastião – Sim. Virá no início. A bíblia cita que não se sabe a data. Os homens estão despercebidos hoje. Só querem comer, folgar, beber, prostituir, etc. Assim como os homens antidiluvianos não quiseram saber, agora também não querem.

RDM - O que o Sr. diria hoje para os crentes e para os não-crentes a respeito desse período de atribulação que está vindo, segundo a percepção religiosa?

Pastor Sebastião – A minha palavra é que os cristãos voltem à prática da doutrina, porque não sabemos se iremos ao amanhã. Para os que não são crentes, o que creem em Jesus, que procurem uma igreja, procurem se converter para terem o seu nome inscrito no Livro da Vida.

Autor: Onofre Ribeiro, especial para RDM